Princípios MyData

1.

Controle centrado no ser humano e privacidade: indivíduos são atores capacitados, não alvos passivos, na gestão de suas vidas pessoais tanto on-line como off-line – eles têm o direito e meios práticos para gerir seus dados e sua privacidade.

2.

Dados utilizáveis: é essencial que os dados pessoais sejam tecnicamente fáceis de se acessar e utilizar – acessíveis em formatos legíveis por máquina por meio de APIs (Application Programming Interfaces) seguras e padronizadas.
MyData é uma maneira de converter dados de silos fechados num importante recurso reutilizável. Pode ser usado para criar novos serviços que ajudem os indivíduos a gerir as suas vidas. Os prestadores desses serviços podem criar novos modelos de negócio e crescimento econômico para a sociedade.

3.

Ambiente de negócios aberto: a infraestrutura compartilhada do MyData permite gestão descentralizada dos dados pessoais, melhora a interoperabilidade, torna mais fácil o cumprimento dos rigorosos regulamentos de proteção de dados pelas empresas e permite que os indivíduos mudem prestadores de serviços sem lock-ins pelos proprietários dos dados.


O que é My Data?

O termo MyData refere-se 1) a uma nova abordagem, uma mudança de paradigma no gerenciamento e processamento de dados pessoais que busca transformar a organização atual centrada nos sistemas num sistema centrado no ser humano, 2) aos dados pessoais como um recurso que o indivíduo pode acessar e controlar. Os dados pessoais que não estejam sob o controle do indivíduo não podem ser chamados de MyData.

O objetivo é proporcionar aos indivíduos meios práticos para acessar, obter e utilizar datasets contendo suas informações pessoais, tais como dados de compra, de tráfego, de telecomunicações, registros médicos, informações financeiras, e dados derivados de diversos serviços online, além de encorajar as organizações que detêm os dados a dar aos indivíduos o controle sobre esses, para além dos padrões legais mínimos.

Os dados pessoais têm cada vez mais peso social, econômico, e valor prático. De acordo com o Fórum Econômico Mundial, “os dados pessoais estão se tornando uma nova classe de ativos, um recurso valioso para o século XXI que vai tangenciar todos os aspectos da sociedade”. A aplicação e utilização mais ampla de dados pessoais, no entanto, é muitas vezes aliada a predições pessimistas de um futuro desprovido de privacidade individual.

Atualmente, os indivíduos têm pouco ou nenhum controle sobre como os dados acerca de si próprios e suas atividades são criados ou utilizados pelas empresas, governos ou data brokers. Ao dar aos indivíduos o poder de determinar como seus dados podem ser utilizados, a abordagem MyData permite a coleta e o uso de dados pessoais de forma a maximizar os benefícios ganhos minimizando a perda da privacidade.

Os dados pessoais são atualmente uma “matéria-prima bruta” subutilizada para novos serviços devido à falta de interoperabilidade e portabilidade entre datasets através de serviços e setores. Precisamos de uma nova abordagem em nível de infraestrutura para gerir dados pessoais.

O crescimento da análise de Big Data trouxe à tona questões relacionadas à privacidade. Quanto ao uso ético e a análise de informações pessoais, MyData e Big Data são conceitos complementares em vez de conceitos mutuamente exclusivos. O conceito de Big Data enfatiza o potencial para combinar e analisar grandes datasets do ponto de vista organizacional, enquanto que o MyData se concentra na capacidade de o indivíduo controlar e se beneficiar do valor dos seus dados pessoais.

A abordagem MyData fornece às organizações os meios práticos para implementar a proteção de dados e da privacidade no decorrer de análises de big data e traz aos indivíduos transparência sobre como seus dados estão sendo coletados e processados. Sem abordar a perspectiva humana, muitos dos potenciais usos inovadores do big data podem se tornar impossíveis se os indivíduos os considerarem invasivos, duvidosos e inaceitáveis.

A abordagem MyData adota o movimento filosófico ‘Dados Abertos’ no sentido de que proporcionar acesso a informações em um formato livre e transparente aumenta sua utilidade e valor. Por definição, dados abertos são tecnicamente e legalmente livres para que qualquer um use, reuse e distribua. Similarmente, dados coletados sobre uma pessoa atenderão ao critério MyData se estiverem técnica e legalmente disponíveis para uso, reuso e distribuição pelo indivíduo do modo que ele desejar.

My Data é:

• uma abordagem em nível de infraestrutura para assegurar a interoperabilidade e portabilidade dos dados – as infraestruturas abertas tornam possível que os indivíduos mudem prestadores de serviços sem bloqueios de dados;
• independente de setor – atualmente há avanços significativos sendo feitas em setores individuais, como saúde e finanças, mas uma abordagem cooperativa poderia funcionar em todos os setores;
• baseado no consentimento para gestão e controle de dados – não é necessário que o indivíduo armazene todos os seus dados em repositórios para controlar o fluxo de dados.


Outras questões:

Quais os benefícios do MyData?

Por que o MyData é uma abordagem em nível de infraestrutura?

Como a abordagem MyData funciona na prática?

Por que o MyData se concentra no consentimento?

Por que as empresas deveriam estar interessadas no MyData?

Como o MyData me ajuda no gerenciamento da minha privacidade?

Quais são os próximos passos?

Dê-me alguns exemplos!


Contato

Entre em contato

Centro de Tecnologia e Sociedade (FGV Direito Rio)
Praia de Botafogo, nº 190
Rio de Janeiro, RJ

Twitter: @MyDataBrasil1

Envie uma mensagem